quinta-feira, fevereiro 04, 2010

Women on top...

Ainda estou com as pupilas dilatadas depois de ler a reportagem da revista "Sábado" de Dezembro 2009 (sim, guardo-as) sobre "Mulheres que pagam para ter sexo". Tal como em todos os temas que se relacionam com sexualidade, a emancipação feminina está a revelar algo que os homens nunca esperaram: elas conseguem legitimar, com uma argumentação magistral, algo que, até hoje, tinha sido violentamente ostracizado nos homens por elas próprias. Subitamente, pagar os serviços de um acompanhante é perfeitamente legítimo porque não se está a pagar directamente o sexo. Ou seja, o sexo está implícito mas não é explícito. Primeiro porque se denomina "acompanhante" e não "prostituto" (isso é só para os gays), depois porque se contrata um acompanhante para momentos lúdicos e, se o sexo acontecer, "é grátis". Sem dúvida que homens de todo o mundo, que fazem isto há séculos, perguntar-se-ão: "porque é que nunca pensámos nisto?"
E estas mulheres não são pessoas solitárias, carentes, desinteressantes ou feias, são mulheres de sucesso, com cargos importantes, bonitas, algumas casadas, algumas com filhos e muitas delas apenas com vontade de ter bom sexo "sem perder tempo com jogos e protocolos".
Foi quando li esta interessante explicação que me lembrei de dois conceitos que, subtilmente, explanam de forma bastante acertiva a principal diferença entre homens e mulheres.
Uma das frases vi num filme...

...a outra num anúncio.

Longa vida à dança dos sexos!

1 comentário:

free movies disse...

Aesome video great post!